Floricultura Marcelo Feijó: tradição e qualidade no ramo

05/11/2016 17:45

Trabalho, dedicação, sucesso e boa visão de mercado, assim pode ser definida a história da Floricultura Marcelo Feijó, que contamos em nosso Case de hoje. Localizada na rua 24 de maio, uma das principais do Centro da cidade, a floricultura foi o cenário do bate-papo com o simpático e muito receptivo, Marcelo Feijó, que conversou conosco e apresentou um pouco de sua história de sucesso que está aliada a Oceano FM, parceria de longa data. 

Grupo Oceano - Como iniciou o trabalho da Floricultura??
Marcelo Feijó - Há 16 anos estamos trabalhando. A Floricultura era na Pinto Lima com General Osório e depois disso viemos para a 24 de maio. Meus pais me ajudaram no atendimento, mas a montagem dos arranjos sempre fui eu que fiz. Eu tive a ideia de ter a floricultura e assim surgiu o empreendimento. Tenho 38 anos e já havia trabalhado com salgados e também com artesanato. Meu pai trabalhou com cosméticos e ali comecei a ter experiência com o comércio, pois eu o ajudava, mas eu nunca tinha trabalhado com flores, apenas sabia que tinha habilidade para montagem de tudo.

G.O. - Quais são os diferenciais da Floricultura Marcelo Feijó?
M.F. - Nós somos 100% dedicados a trabalhar com flores e arranjos e isso para qualquer ocasião. Não fazemos a decoração, mas podemos produzir todos os arranjos. Meu trabalho é produzi-los e nisso eu posso me garantir, pois conheço o potencial do meu trabalho e assim eu ofereço e garanto a qualidade dos serviços.

G.O. - Quando foi a mudança para a 24 de maio?
M.F. - Depois do fechamento do supermercado que havia próximo a floricultura, o ponto caiu muito naquela região. Há 9 anos nos mudamos para a 24 de maio, mas o mais interessante foi que trouxemos juntos os clientes que já tinhamos no endereço antigo. Tenho clientes que namoraram, casaram e hoje tem filhos. Assim acompanhamos diversas vidas e muitas histórias. Tenho meu nome criado no mercado e a rádio me ajuda muito, pois são vários os clientes que vem aqui e relatam que ouviram na rádio e até me perguntam se eu sou o Marcelo Feijó (risos).

G.O. - O romantismo ainda existe?
M.F. - Sem dúvidas. É mais fácil o movimento cair por causa da crise, do que por falta de romantismo das pessoas. Flores emocionam muito mais do que qualquer outro tipo de presente. Estou dizendo isso baseado no relatos dos clientes.

G.O. - Qual a estratégia que usas para te manter bem no mercado e tem algum mês que não tenha tanto movimento?
M.F. - Preciso ter uma leitura do mercado, saber o que vendem os concorrentes e também entender o comportamento dos meus clientes. Nosso trabalho se dá em cima de datas festivas, como por exemplo, dia dos namorados, dia das mães... O Verão é bom por causa das formaturas, muita gente acha que não e o mês mais calmo seria agosto. No dia dos namorados do ano passado tivemos que fechar a porta e os clientes formaram filas na rua, foi uma loucura.

G.O. - Quando começou a tua relação com a rádio?
M.F. - Já no endereço anterior eu anunciava na Oceano FM. Lá se vão 11 anos de parceria, quando eu comecei a fazer mídia com a rádio. As negociações começaram com o Renatinho (diretor da emissora). Gosto muito da parceria que tenho com a rádio, tenho bom retorno, como citei anteriormente, e isso é muito importante para mim. Todo mundo ouve a Oceano FM e por isso quem está na rádio está na vitrine. O meu negócio fortaleceu pela parceria com a rádio e isso é inegável.

Voltar Topo