Rio Grande

Saúde

Médica fala sobre doenças e alergias mais comuns na primavera

Por Rodrigo de Aguiar , 09/10/2019, 11h03

Além de ser considerada a estação das flores e de exaltar as belezas da natureza, a primavera é uma estação que se caracteriza pela presença dos ventos e com eles o transporte do pólen e demais alergenos, capazes de causar crises alérgicas. Para entender mais sobre esses problemas, a reportagem do Grupo Oceano conversou com a médica clínica geral e infectologista, Márcia de Lima Rodrigues, que explicou detalhes e formas de prevenção.

Segundo ela, essas reações são bastante comuns no sul do país pelo fato de termos as quatro estações do ano bem definidas e pessoas com o organismo predisposto precisam ficar atentas. “O alergeno pode ser, além do pólen, um fungo, um vírus e até mesmo um grão de poeira. Tudo aquilo que o organismo interpretar como um agressor haverá uma reação do corpo para tentar expulsá-lo”, explicou Márcia.

Dentre as doenças mais comuns, temos a rinite que se não for tratada pode desencadear uma crise de asma. A conjuntivite também é outro exemplo, pois o pólen está solto no ar e ao levarmos as mãos aos olhos, pode ocorrer a contaminação. No caso das doenças respiratórias, Márcia lembrou que é necessário manter a casa sempre limpa e para diminuir a quantidade de poeira é preciso utilizar panos úmidos na limpeza dos móveis e o chão, jamais vassouras.

As cortinas também precisam ser de um material hipoalergênico, ou seja, que não acumule poeira. No caso das crianças pequenas, onde o sistema imunológico não está maturo, é preciso ter um cuidado com os bichinhos de pelúcia e com os tapetes, que também devem ser compostos por materiais que não permitam a propagação de ácaros. “O ideal é manter as peças sempre bem ventiladas”, completou Márcia.

Além disso, esse período traz à tona as doenças exantemáticas, como roséola, escarlatina, varicela, caxumba, entre outras, marcadas pela existência de febre e formação de manchas avermelhadas no corpo. Ainda conforme a especialista, algumas dessas doenças podem ser prevenidas com a vacinação tetravalente, por isso a importância da atenção dos pais com a atualização do calendário vacinal dos filhos.

Fotos: Divulgação/Andreia Pires

Rodrigo de Aguiar/Grupo Oceano

Voltar Topo