Esportes

Celebração

FBC Riograndense completa 111 anos

Por Catharina Signorini , 11/07/2020, 20h51

Em 11 de julho de 1909, um grupo de alunos do Colégio Rio-Grandense, dissidentes do quadro diretivo do Sport Club Rio Grande, fundou o Football Club Riograndense e decidiu que seu primeiro presidente seria Amaury Castello. O objetivo dos jovens era inserir o novo clube no futebol profissional e, é claro, rivalizar com os outros dois clubes da cidade - Sport Club Rio Grande e Sport Club São Paulo. 

Nos últimos anos, uma nova versão passou a ganhar força. Para alguns pesquisadores, embora tenha realmente sido fundado por estudantes, eles não eram alunos do Colégio Rio-Grandense, que teria surgido apenas em 1918. Neste caso, o mais provável é que o nome tenha sido escolhido em homenagem a cidade do Rio Grande.

Quase um ano depois de sua fundação, em 24 de junho de 1910, o Guri Teimoso - como é carinhosamente chamado por seus torcedores - fazia sua estreia nos gramados contra o União. Na ocasião, Arlindo escreveu o seu nome na história do clube, ao marcar o primeiro gol da partida, que terminou com vitória do Riograndense pelo o placar de 4x1.

No final da década de 1920, na gestão de Zeca Martins, já havia sido erguido o primeiro pavilhão, na Buarque de Macedo, ao lado do Sport Club Rio Grande. No local, o antigo Estádio Torquato Pontes foi a casa do Guri Teimoso, e o palco de grandes partidas, até 1985, com a mudança para o Colosso do Trevo, que oficialmente também se chama Estádio Torquato Pontes. 

66024795_2560157470694791_4873828222057316352_n 66502407_2560157654028106_3922103189121269760_n

Hoje, aos 111 anos, o clube escarlate coleciona conquistas. Seu principal título, o de Campeão Gaúcho, chegou em 1939, quando o elenco, formado por Brandão, Cazuza, Armando, Martinez, Pacheco, Mariano, Osquinha, Carruíra, Cardeal, Chinês e Plá, e comandado por Aires Torres, bateu o Grêmio Santanense.

WhatsApp Image 2020-07-11 at 15.51.57

Além do título gaúcho, o Riograndense também foi campeão do Interior em 1937, 1938 e 1946, campeão Gaúcho da 2ª Divisão em 1965, campeão da Copa FGF em 1973 e campeão citadino por 20 vezes. Os títulos são o reflexo de uma história cheia de “teimosias”, em que o Guri contrariava a probabilidade e registrava mais um feito histórico.

65914794_2560157347361470_3273880461083934720_n 66260637_2560157734028098_5398396049914068992_n

66439363_2560157554028116_400563141244616704_n 66407253_2560157400694798_4930064990527815680_n

Na lista de ídolos do clube, está Antonio Azambuja Nunes, o Nico. Conhecido como “o Bombardeador”, em razão do seu potente chute, o jogador marcou época e foi o artilheiro do Campeonato Gaúcho de 1967.

nico e paulo renato, em 1965 FBCR25

Depois de 15 anos sem disputar uma partida oficial, o Riograndense está de volta. Depois de lotar as arquibancadas durante o campeonato citadino, em fevereiro de 2020, a torcida mais teimosa do Brasil se prepara para empurrar o clube em seu próximo desafio, a Segundona Gaúcha. 

FBCR17.JPG

Confira aqui a mensagem divulgada pelo clube, em alusão ao aniversário de 111 anos. 

"Sabe, hoje acordei lembrando que durante muito tempo fomos obrigados a viver sem tua presença, e ouvindo dos amigos que tu havias ido embora para nunca mais voltar. Diziam eles, que tua família era muito pequena, inexpressiva e quase inexistente.

Ai fiquei pensando...é impossível teres uma família pequena. Tu já foi dono do estado, já assombrou o RS com 4 finais de gauchão num período de 10 anos, ganhou uma copinha da FGF, já saiu vencedor da batalha da segunda divisão, inúmeras vezes foi o campeão da cidade,  tu invadiu a capital com seu grande e numeroso exército como nenhum clube do estado jamais havia feito para mostrar que nem um torneio com o nome de 'torneio da morte' era impossível pra ti.

Não...Depois de tudo isso, depois de conviverem contigo Hormel Duarte, Torquato e Élio Pontes, Waldir de Lima Fonseca, Gil Barlén Martins, Bento Castelã, Oscar Conceição, Nico, Chinesinho, Arlén, Scalla, Mauro Curi, Hercilio Pinto, Odilon Fogaça, Adão Fernandes, Pileca, Armando Barros, Nicanor Penha , Itassuce, Iord Silva , Renato Peixoto entre outros tantos outros dirigentes e atletas históricos; eu não podia acreditar que tinhas ido embora para sempre.

Pois é, mas todos esses apaixonados que passaram por tua vida, deixaram nos filhos, netos e esposas a semente do amor e da paixão por toda essa história de lutas, batalhas e teimosia que fizeram de ti o GURI mais amado e querido do mundo. Coube a esses 'herdeiros' irem te buscar em nome de tudo que homens honrados e apaixonados fizeram por ti.

Parabéns meu FBC Riograndense, parabéns pra nossa torcida.São 111 anos de estórias de vidas que se confundem com a tua. Enquanto um torcedor escarlate viver, certamente que irá honrar toda luta de nossos antecessores e nunca, mas nunca mesmo, irá deixar essa paixão morrer."

Imagens: Arquivo/FBC Riograndense
Divulgação/Dakar Estúdio

Voltar Topo