Estado

Investimento

Acordo entre Estado e União destina R$ 222 milhões em obras de água e esgoto

Por Assessoria , 12/01/2018, 17h00

Uma boa notícia para os moradores de sete municípios gaúchos foi confirmada na quinta-feira, 11. Capão da Canoa, Gravataí, Imbé, Pedras Altas, Rio Grande, Tramandaí e Xangri-Lá vão receber um investimento de R$ 222 milhões para obras de água e esgoto. O recurso faz parte do Programa Saneamento para Todos, do governo federal. O contrato de financiamento foi assinado entre a União, que entra com R$ 210,6 milhões, e o Estado, a quem cabe uma contrapartida de R$ 11,4 milhões, provenientes da Corsan.

A finalidade é melhorar e ampliar os sistemas de abastecimento de água e de coleta e tratamento de esgoto. O contrato foi assinado no Palácio Piratini pelo governador José Ivo Sartori, o ministro da Secretaria de Governo da Presidência da República, Carlos Marun, o vice-governador José Paulo Cairoli, o secretário de Obras, Saneamento e Habitação, Fabiano Pereira, o diretor-presidente da Corsan, Flávio Ferreira Presser, e o diretor-regional da Caixa Econômica Federal, Hélio Luiz Duranti.

Sartori disse que, mais uma vez, a união de esforços entre os governos federal, estadual e municipais permite que o Rio Grande do Sul avance nas mudanças estruturais. "Universalizar e melhorar os serviços públicos de água e esgoto é um dever nosso e um grande desafio. Somente 14% da população gaúcha tem esgoto coletado e tratado. Esse número nos envergonha porque significa que, ao longo dos anos, obras necessárias não foram priorizadas. Por isso, eu digo a vocês, especialmente aos prefeitos, porque já fui prefeito. É nosso dever explicar as mudanças para a população, porque ninguém gosta de transtorno. As pessoas precisam entender o objetivo das obras que estão sendo feitas”, afirmou. O governador lembrou que o foco precisa ser sempre o cidadão. “Nós estamos trabalhando pelo futuro que queremos deixar para as próximas gerações. Por um Estado moderno, com serviços eficientes para quem vive lá na ponta”.

O ministro Marun ressaltou a importância do investimento. “Dizem que colocar dinheiro em água, esgoto e saneamento básico não dá voto. Eu sempre ouvi isso. Mas dá saúde. E o nosso governo, assim como o governador Sartori, tem a coragem de fazer o que precisa ser feito”.

Segundo a Corsan, os recursos já estão garantidos e serão liberados durante a execução das obras. A meta da companhia é fazer as licitações - para saber quais empresas vão realizar os serviços – ainda neste semestre e começar os trabalhos na segunda metade do ano. O tipo de obra e o valor variam conforme o município (confira na lista abaixo*). Entre as melhorias previstas, estão, por exemplo, a implantação de redes coletoras de esgoto, a instalação de redes de bombeamento e a ampliação do sistema de esgotamento sanitário.

O diretor-presidente da companhia, Flávio Ferreira Presser, falou do impacto para a população e as cidades. “Estamos investindo essencialmente em redes de esgoto sanitário. Dos sete municípios contemplados, quatro ficam no Litoral. Isso faz com que a região possa crescer, se desenvolver, pensar em novas construções. Em segundo lugar, isso dá balneabilidade, atrai mais turistas. Então, tem o fato econômico, social, enfim, as vantagens do saneamento são imensas”, explicou.

O secretário de Obras, Fabiano Pereira, citou outros dois aspectos: “"Não estamos investindo apenas em fornecimento de água e tratamento de esgotos. Estamos investindo em saúde e no meio ambiente. A cada um real investido em saneamento hoje, poupamos quatro reais no tratamento de doenças no futuro".

Também participaram da solenidade a secretária de Desenvolvimento Social, Trabalho, Justiça e Direitos Humanos, Maria Helena Sartori, o chefe da Casa Civil, Fábio Branco, o secretário da Saúde, João Gabbardo dos Reis, a secretária do Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, Ana Pellini, e os prefeitos de Capão da Canoa, Amauri Magnus Germano, de Imbé, Pierre Emerim da Rosa, de Pedras Altas, Luiz Alberto Soares Perdomo, de Rio Grande, Alexandre Lindenmeyer, de Tramandaí, Luiz Carlos Gauto da Silva, e de Xangri-Lá, Cilon Rodrigues da Silveira. O prefeito de Gravataí não pode estar presente.

Em Rio Grande, serão investidos R$ 84,5 milhões, sendo R$ 49,4 milhões para implantação de redes coletoras, estação de bombeamento nos bairros Cidade Nova, Miguel de Castro Moreira, Cohab 1 e 2, e Ernesto Buchols. Para implantar a ETE Molhes, no Cassino, serão utilizados R$ 22,5 milhões e outros R$ 12 milhões para o sistema de esgotos do bairro São Pedro.

 

Foto: Ascom / RS

Voltar Topo