Esportes

Eleições

São Paulo segue sem interessados em assumir a presidência

Por Rodrigo de Aguiar , 27/04/2018, 16h01

O período para a inscrição de chapas de interessados em assumir a presidência do Sport Club São Paulo segue aberto até o dia 30 deste mês. Como a eleição está marcada para acontecer no dia 2 de maio, o estatuto do clube prevê que os candidatos devam demostrar o interesse até 48 horas antes do pleito.

Segundo o presidente do Conselho Deliberativo, Deivid Pereira, até agora nenhum sócio colocou seu nome à disposição, mas ele acredita que até a próxima segunda-feira alguém deverá protocolar uma chapa e com isso concorrer ao cargo. Caso não haja a manifestação de interessados, Pereira seguirá à frente do clube e convocará novas eleições para definir a situação da nova diretoria.

De acordo com ele, o estatuto é omisso no que diz respeito ao número de tentativas de eleições, mas em tese, deveria ser realizada apenas uma convocação. Questionado sobre a possibilidade de assumir a função, Deivid disse não possuir interesse, mas se for necessário não irá fugir da responsabilidade imposta pela função de presidência do Conselho Deliberativo.

Independente do nome, o novo mandatário São Paulo enfrentará uma missão árdua e assumirá um time rebaixado para a Divisão de Acesso do Campeonato Gaúcho e com dívidas normais para equipes do interior. Uma das responsabilidades será a formação de um plantel capaz de disputar dignamente a competição e, se não subir, causar pelo menos uma boa impressão para o torcedor.

Consultado pela reportagem do Grupo Oceano, o ex-presidente, Domingos Escovar, explicou que tomou a decisão de deixar o comando do clube diante da manifestação de um conselheiro que informou possuir um aporte financeiro capaz de garantir a administração do clube. Nesse sentido, a intenção era de assumir já nos primeiros dias de abril, no entanto Escovar disse que seria necessário concluir a contabilidade da gestão para apresentar números reais no dia da eleição.

O ex-dirigente rubro-verde não escondeu os fatos e confirmou a existência de dívidas, principalmente com os jogadores. Segundo Domingos, a despesa mensal na Linha do Parque era de R$ 151 mil com os atletas, R$ 36 mil com locações de imóveis e hotéis, R$ 12 mil com alimentação, outros R$ 12 mil de deslocamentos internos, R$ 25 mil referentes à área administrativa, gastos com registros e transferência de atletas, além do custeio das passagens aéreas dos jogadores de fora.

Pela parceria que foi estabelecida para a disputa do Campeonato Gaúcho, os investidores ficavam responsáveis pelo pagamento da folha mensal e o clube pela manutenção do grupo na cidade. Questionado sobre o valor real da dívida, Domingos disse que não sabe precisar, pois os balancetes serão entregues pelo contabilista somente no início da próxima semana, mas adiantou que ao assumir o clube, em novembro do ano passado, já herdou um déficit de R$ 278 mil da gestão anterior.

Foto: Rodrigo de Aguiar/Grupo Oceano

Voltar Topo