Câmara de Vereadores

Desabafo

Presidente da Câmara revela perseguição e oferecimento de propina

Por Rodrigo de Aguiar , 16/05/2018, 16h43

O presidente da Câmara Municipal, vereador Flávio Maciel (Solidariedade), concedeu uma entrevista coletiva na tarde desta quarta-feira, oportunidade em que falou sobre o episódio de ameaça envolvendo o vereador André Moraes de Sá (Batatinha – PSD) e situações em que ele se considera perseguido por conta da política administrativa implementada por sua gestão. Segundo ele, esse trabalho de transparência tem motivado alguns de seus colegas a colocarem empecilhos para a efetivação dessa sistemática.

A coletiva foi pautada por diversos pontos, entre eles as questões envolvendo o cancelamento do contrato com a empresa responsável pela transmissão das sessões e da programação da TV Câmara. Sobre esse assunto, Maciel revelou que recebeu ofertas de propina, na ordem de R$ 30 mil mensais, para não fiscalizar o contrato e ainda fazer uma espécie de vista grossa para os problemas apresentados. As vantagens, segundo ele, teriam sido ofertadas pessoalmente.

Enquanto a nova empresa não assume as funções, estão sendo transmitidas somente as sessões plenárias de forma emergencial. O novo edital já foi lançado e por conta da ampla divulgação, a expectativa é de que o vencedor seja conhecido em breve. Sobre os funcionários demitidos, Flávio explicou que os salários dos trabalhadores deverão ser pagos com recursos da própria Câmara, por meio de um termo de ajustamento de conduta firmado com o Ministério Público do Trabalho.

Outro ponto citado pelo presidente do legislativo foi com relação a obra do almoxarifado da Casa, que corria risco de desabamento. Nesse sentido, Maciel solicitou a realização de um orçamento que retornou a Câmara dentro dos valores estabelecidos pelo mercado e ele mais uma vez foi procurado para o recebimento de vantagens indevidas e optou por paralisar a obra.

Quando questionado sobre o episódio de ameaça envolvendo o vereador Batatinha, Flávio explicou que os problemas com diárias já vinham acontecendo na Casa há alguns dias. Especificamente nesse caso, Batatinha teria ligado para Maciel e solicitado a liberação do diretor da Câmara para uma viagem a Porto Alegre, inclusive com a disponibilização de diárias.

Por se tratar de um compromisso de ordem política e não administrativa, Flávio entendeu ser desnecessária a participação do diretor. A viagem, segundo informações, seria para a realização de visitas em secretarias estaduais, entre elas a de saúde para abordar questões relacionadas ao hospital Santa Casa.

Ocorre que antes desse episódio, Maciel já havia solicitado a realização de uma verificação na prestação de contas dos vereadores e Batatinha foi o único parlamentar que não apresentou os relatórios de atividades, motivo que o levou a não liberar o recurso. O pedido de abertura de processo por quebra de decoro parlamentar foi recebido pela Câmara, está em análise pelo departamento jurídico e se atender a todos os requisitos de admissibilidade será levado a apreciação dos vereadores na próxima sessão plenária.

Sobre as perseguições, ameaças recebidas e ofertas de propina, Maciel disse que não irá revelar os nomes dos vereadores e partidos políticos envolvidos, mas disse que em breve todos serão conhecidos em razão das denúncias feitas por ele ao Ministério Público e que deverão ser transformadas em investigações.

Foto: Rodrigo de Aguiar/Grupo Oceano

Voltar Topo