Estado

Dia do Pedestre

Educação para o trânsito busca reduzir altos índices de atropelamentos

Por Assessoria , 09/08/2018, 09h47

Trinta por cento dos pedestres mortos no trânsito gaúcho tem mais de 65 anos. O alerta é feito pelo DetranRS, a partir de levantamento para o Dia do Pedestre, celebrado ontem, dia 8. Foram analisados dados de janeiro de 2007 até junho de 2018 em todas as vias do Rio Grande do Sul.

Nesse período, foram atropeladas 727 pessoas entre 65 e 74 anos, e 667 acima dos 75. A análise das faixas etárias mostra uma distribuição crescente desde a infância até a idade adulta, com um pico entre os idosos. No total, 4.560 pedestres morreram atropelados no estado, sendo 3.066 homens.

Os atropelamentos representam 23% do total de acidentes no estado. Mais da metade dos atropelamentos (2.489) aconteceram em vias municipais. Distribuídos proporcionalmente entre os dias da semana, há uma incidência um pouco maior nas sextas, sábados e domingos (mais de 50%). O turno da noite, a partir das 18h30, concentra a maioria das ocorrências (cerca de 45%). Os veículos que se envolvem mais em acidentes com pedestres são automóveis (39%), seguidos de motos e motonetas (17%) e caminhões (13%).

Para estimular a mobilidade ativa, a Escola Pública de Trânsito do DetranRS tem realizado uma série de ações de educação, especialmente para qualificação de professores de Ensino Fundamental e formação de multiplicadores em educação no trânsito para o pedestre idoso.

O Curso de Educação para o Pedestre está na sua 20ª edição e qualificou 400 professores para trabalhar o tema em sala de aula e formar pedestres mais conscientes desde os primeiros anos de vida.

Para a chefe da Divisão de Educação para o Trânsito, Laís Silveira, é preciso garantir mais segurança nas ruas para estimular as pessoas a caminhar. “E isso passa pela educação, tanto de condutores quanto de pedestres, entre outras intervenções que facilitam a vida de quem caminha”, afirma.

Foto: Rafaela Masoni/Detran RS

Voltar Topo