Rio Grande

Salário Atrasado

Funcionários da Santa Casa realizam manifestação

Por Lisandra Reis , 09/11/2018, 11h29

Funcionários do Hospital Santa Casa de Rio Grande realizaram hoje mais uma manifestação por causa do salário atrasado. Desde o mês de agosto os trabalhadores não recebem. Apesar dos atrasos os serviços e atendimentos seguem sendo realizados pelos 1.300 funcionários do hospital.

Com camisetas brancas, cartazes de apelo ao Governo do Estado e balões brancos o grupo formado por funcionários, familiares de funcionários e pacientes se reuniram no Hospital de Cardiologia de Rio Grande. Juntos, se concentraram na Avenida Presidente Vargas e receberam o apoio de quem passava pelo local.

Em alguns minutos o trânsito foi interrompido sem causar congestionamentos. "A ideia é mostrar para a comunidade a nossa indignação com esse absurdo de não recebermos nossos salários há três meses. Precisamos desse apoio pra conseguirmos seguir em frente e precionar o governo a nos pagar. Apesar de tudo seguimos trabalhando para não prejudicar a comunidade. Mas está muito difícil, e ajudamos uns aos outros", desabafou Carmem Arabidian, enfermeira e funcionária do hospital há 28 anos.

Além do atraso no pagamento dos funcionários, a falta de materiais e medicamentos também preocupa. A paciente da Oncologia do hospital, Kely Souza Ávila toma medicação diária e não há previsão de chegada desse remédio. "Estou aqui para apoiar quem tanto nos ajuda. Vejo a dificuldade desse pessoal e mesmo assim estão aqui trabalhando, mas a medicação não tem previsão de chegar e eles não podem fazer nada", comentou.

O presidente da Santa Casa de Rio Grande Dom José Mario Stroeher, recebeu alguns funcionários e a imprensa. De acordo com ele a previsão é começar o pagamento na próxima semana. "Não posso prometer mas o esforço é grande para que consigamos começar a colocar em dia", disse. Além disso, a assinatura de um contrato com a Rede de Hospitais gerenciada pelo médico e empresário Ruy Muniz para fazer a gestão do Hospital garantiria um aporte inicial financeiro de R$ 8 milhões, dando uma expectativa de colocar os salários em dia em um perído aproximado de quatro meses. "Estamos em negociação com eles desde maio. Espero que até o final do ano eles já estejam aqui dentro organizando a gestão e principalmente os pagamentos", concluiu Dom José Mario.

Fotos: Lisandra Reis/Grupo Oceano

Voltar Topo